Arquivo da tag: Wanderlei Silva

UFC 144, Pride e a volta do MMA ao Japão

UFC está de volta ao Japão - Foto: Divulgação

UFC está de volta ao Japão - Foto: Divulgação

Você escolhe. O Japão esperou 4.089 dias – ou 11 anos, 2 meses e 10 dias – para rever um evento do UFC. Desde o fim do Pride, já se vão 1.667 dias – ou 4 anos, 6 meses e 22 dias – sem uma grande apresentação de MMA no país. Enfim, o bom filho à casa torna, e a “meca” das artes marciais se reencontra com o UFC.

O Japão já teve o evento de maior prestígio do mundo das lutas, o Pride. Pode se dizer que era a maior competição de vale-tudo do planeta. As regras eram menos rígidas, o que gerava golpes mais violentos e lutas mais sangrentas. Só de lembrar dos “tiros de meta” dá calafrios…

Agora, o país vê o MMA, com normas que servem justamente para proteger os combatentes. Foi esse MMA, agressivo, mas sem a violência do vale-tudo, que conquistou o planeta. E, agora, tenta reconquistar o Japão.

O último UFC no Japão - Foto: Divulgação

O último UFC no Japão - Foto: Divulgação

Fuçando aqui, descobri que o último UFC por lá foi o 29, justamente o último antes da venda da franquia da SEG para a Zuffa. Foi lá que Tito Ortiz e Pat Miletich mantiveram seus cinturões. Foi lá que Dennis Hallman massacrou Matt Hughes em apenas 20 segundos, e Chuck Liddell venceu Jeff Monson após 15 minutos de combate. Foi lá que acabou o UFC “à moda antiga” e foi dado o primeiro passo rumo ao UFC que conhecemos hoje.

Foi graças ao Pride que alguns brasileiros conquistaram fama e prestígio internacional, em combates de tirar o fôlego. De cabeça, lembro das duas lutas entre Wanderlei Silva e Quinton Rampage Jackson, de Wanderlei contra Mirko Cro Cop, de Minotauro renascendo das cinzas contra Cro Cop e Bob Sapp, de Shogun e Minotouro em um duelo de arrepiar.

Tirando os brasileiros, o Japão foi palco da formação da lenda sobre Fedor Emelianenko e é a terra de um cara que foi muito odiado por aqui, Kazushi Sakuraba, o “Caçador de Gracies”, que ganhou nada mais nada menos de Royler Gracie, Renzo Gracie, Ryan Gracie e Royce Gracie. Um fenômeno.

Você deve estar se perguntando por que o UFC demorou tanto para voltar a um país que tem uma tradição milenar em lutas, não? Mesmo depois que a Zuffa comprou o Pride, em março de 2007, o domínio dos eventos de artes marciais seguiu nas mãos de gente graúda no Japão, e o UFC simplesmente não conseguia negociar com esses caras. As arestas foram se aparando e, depois de muito papo e muito mais dinheiro, chegou-se a um acordo.

A minha expectativa é que, além de renascer o MMA no país, a realização de um UFC sirva como o primeiro passo para a recuperação de algumas artes marciais no Japão. O milenar sumô, por exemplo, está à beira da falência, graças a desvios absurdos e resultados combinados em bolsas de apostas. O UFC não é o messias, longe disso, mas pode servir de exemplo e alavancar outras modalidades de lutas no país.

Música de abertura do Pride

Historinhas à parte, o evento deste fim de semana lembra, e muito, os realizados no Brasil. Alguns combates são bem legais, outros, especialmente do card preliminar, reúnem estrelas ou promessas locais. Confesso que tem lutador ali que eu nem sabia que existia. A novidade é um card principal inchado, com sete lutas, provavelmente atendendo a uma solicitação dos promotores japoneses.

O foco são as duas lutas principais, com Quinton Rampage Jackson x Ryan Bader e a disputa do cinturão dos leves entre Frankie Edgar e Ben Henderson. Mas uma outra luta me chama a atenção: Anthony Pettis x Joe Lauzon. São dois caras que adoram uma pancadaria, uma luta aberta. Lauzon é um dos lutadores que eu mais gosto de ver, principalmente pela versatilidade e pelo enorme coração. Ainda tem Yushin Okami x Tim Boetsch, Yoshihiro Akiyama x Jake Shields, e Cheick Kongo x Mark Hunt. Diversão garantida!

P.S.: Caros, já disse aqui e repito: em qualquer esporte, você tem que ser agressivo. Por isso, acho que o MMA e qualquer outra modalidade de luta agressiva, não violenta. O vale-tudo, sim, era violento, briga de rua. Goste ou não, o MMA é um esporte.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Lutas, MMA

A ligação entre um goleiro francês, Homem-Aranha, MMA e Wanderlei Silva

Janot se veste de Homem-Aranha em partida do St-Etienne - Foto: Divulgação

Janot se veste de Homem-Aranha em partida do St-Etienne - Foto: Divulgação

Eis que foi lançado o trailer legendado do novo Homem-Aranha. Ia escrever sobre isso, mas fuço aqui e ali e descubro a grande estrela deste post: Jérémie Janot, um nome extremamente ligado ao Spider. Conhece a figura? Eu também não conhecia, então, vamos às apresentações.

Sabe aquele seu amigo malucão, engraçadão, gente boa, que todo mundo gosta. Esse é o Janot, carismático goleiro do Saint-Etienne,  doidão de plantão e ídolo da torcida.

Vira e mexe, se veste com estravagância. Homem-Aranha já foi tema de seu uniforme em duas oportunidas, pelo menos. Entre inúmeras outras, já se vestiu com um uniforme tigrado, com algo semelhante a um kilt (saiote masculino usado por escoceses), com uma camisa igual à da Argentina e com um maillot à pois, a camisa branca com bolas vermelhas usada pelo melhor montanhista da Volta da França.

Janot repete a fantasia de Homem-Aranha - Foto: Divulgação/Janot

Janot repete a fantasia de Homem-Aranha - Foto: Divulgação/Janot

Fora de campo, seu hobby também pode ser considerado uma estravagância: MMA. Afinal, que jogador de futebol em sã consciência dedicaria suas horas livres a dar a cara para bater?

Janot dá uma de tiete com Wanderlei Silva - Foto: Divulgação/Janot

Janot dá uma de tiete com Wanderlei Silva - Foto: Divulgação/Janot

Em seu site oficial, aponta o brasileiro Wanderlei Silva como o seu maior ídolo, com quem até já treinou. A devoção é tamanha que ele copiou a tatuagem que o lutador tem na cabeça. O símbolo, um tribal, também é reproduzido em suas luvas e faz parte do menu de navegação de sua página na Internet.

Janot (e) e Wanderlei Silva: tatuagens iguais - Foto: Divulgação/Janot

Janot (e) e Wanderlei Silva: tatuagens iguais - Foto: Divulgação/Janot

Dá até para dizer que Janot é uma espécie de Higuita dos tempos modernos, já que gosta de polemizar também em suas atuações. Contra o Barcelona, em um jogo de Liga dos Campeões, simplesmente aplicou uma espécie de voadora para fazer a defesa e comemorou com um golpe digno de capoeira.

A partir de hoje, este blog será setorista de Janot. Vou seguir os passos dessa figuraça e ver qual será a próxima maluquice. Ah, eu já ia esquecendo: o trailer do novo Homem-Aranha está abaixo…

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema, Futebol, Vídeos