Arquivo da tag: Ralf

Enfim, Corinthians: insano

Corinthians, campeão da Libertadores - Fonte: UOL

Corinthians, campeão da Libertadores – Fonte: UOL

Demorou. Demorou muito, até, para que o Corinthians conquistasse a América. Demorou, mas o dia, insano, chegou. E como chegou.

Parecia uma teimosia quase infantil, sabe? Aquela coisa de fazer uma coisa, dar errado, ir lá de novo, fazer igual, dar errando de novo, ir de novo e de novo, fazer igual vez e vez, errar, errar, errar… Insanidade?

“Não há nada que seja maior evidência de insanidade do que fazer a mesma coisa dia após dia e esperar resultados diferentes.”

Albert Einstein

Corinthians na Libertadores virou uma espécie de piada pronta. A queda antes mesmo da fase de grupos em 2011 pareceu o mais alto grau de teimosia, o atestado da insanidade.

O tombo foi grande, o maior deles, talvez. E, pela primeira vez, pareceu que o Corinthians tinha aprendido a lição. Veio o título brasileiro e, no calendário, mais um compromisso inadiável: a Libertadores 2012.

Dessa vez, nada de fazer o mesmo. Não teve nenhuma contratação milagrosa, nenhum supertime. Formou-se, sim, uma equipe. No comando, Tite. A missão não era o título, mas fazer diferente e, aí sim, esperar um resultado diferente.

equipe
substantivo feminino
1 conjunto de pessoas que se dedicam à realização de um mesmo trabalho
Ex.: e. de filmagem
1.1 Rubrica: esportes.
grupo de duas ou mais pessoas que, formando um conjunto solidário, participam de uma competição esportiva
Ex.: e. de futebol

Fonte: Dicionário Houaiss

O dicionário traz, como exempo de uso da palavra equipe, “equipe de futebol”. Curioso mesmo: tem tanto time por aí, a maioria, acredito, que não é equipe. Ou melhor, que está anos-luz de ser uma equipe.

Mas o Corinthians foi uma equipe, com uma doação exemplar. Ninguém, ali, ganhou jogo sozinho. Mas cada um sabia que, se correr um pouquinho cá e lá, se der um carrinho lá e acolá, dava para vencer. Apertado, no sufoco? Dane-se como, mas dava para vencer.

E foi assim. Tanto que, eu, você e todo mundo tem dia bom, dia ruim. Tem dia que você trabalha e fala: caramba, hoje, rendeu. Tem dia em que nada sai direito, mas o trabalho é feito. No futebol, no Corinthians, foi assim também.

Teve o dia do Cássio. Teve o do Ralf. Teve o do Danilo também. Paulinho e Castan tiveram vários dias legais. Até que chegou o dia do Emerson. E foi a noite das mais barulhentas de uma das maiores cidades do mundo.

Insanidade é sinônimo de loucura, alucinação. Insano é o maluco. O Corinthians passou da insensatez à loucura. Loucura saudável, bando de loucos. Enfim, a Libertadores. Insano.

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol