Arquivo da tag: Mundial

Um ano e um dia, uma falha e um título, um aniversário bacana

Há um ano e um dia, nascia esse blog. O objetivo era, simplesmente, escrever, algo que, mesmo sendo jornalista, eu não fazia (e a história é longa para contar). O objetivo era dar pitaco em um monte de coisa que eu não tenho conhecimento, mas gosto de palpitar. Enfim, o objetivo era encher o saco e escrever bobagens divertidas. Missão dada, missão cumprida.

Minha ideia era escrever um post por dia, algo que eu não consegui fazer. Sabe como é, os compromissos com quem me paga, às vezes, me deixam sem tempo de teclar por aqui. Uma pena… Foram 317 posts até hoje. Tirando os fins de semana, acho que, na média, dá um post por dia. Mas, o ideial mesmo, era escrever todo dia. Exercício diário mesmo, sabe? Mas, infelizmente, não rolou. Missão dada, missão, bem, deixa pra lá.

O que acho mais bacana é a audiência. No dia de aniversário, o blog bateu a marca de 50 mil unique visitors. Para quem trabalha com internet, o número é simplesmente ridículo. O valor se refere ao ano inteiro. Então, é mais ridículo ainda. Mas, vejo por outro lado: quem lê, basicamente, é quem me conhece. E ter mais ou menos 135 cliques diários é algo que me deixa bem feliz.

O primeiro post desse blog fazia menção ao dia do meu aniversário, 16 de julho, dia que eu recebo o carinho de tanta gente, dia que eu geralmente fico puto com facilidade. Na mesma data, em 1950, o Brasil assistia à sua maior tragédia esportiva, a derrota para o Uruguai no jogo que decidiu a Copa do Mundo. Mas foi um 16 de julho de 1994 que começou a preparação para a final da Copa, no dia seguinte, entre Brasil e Itália.

Lembro que rolou uma festa absurda em casa para celebrar os meus 16 anos. A molecada foi ficando, foi ficando, e a gente praticamente não dormiu. Sei lá, deve ter sido a somatória da batida de chocolate que minha mãe fazia com a tensão pré-final. O detalhe é que tinha outro jogo antes: a estreia do meu time nas Olimpíadas, no Aramaçan.

Brasil nas Olimpíadas do Aramaçan em 1994 - Foto: Arquivo pessoal

Brasil nas Olimpíadas do Aramaçan em 1994 – Foto: Arquivo pessoal

Era assim: eu jogava futebol no clube, o Aramaçan, em Santo André, desde criança (sim, teve uma boa época da minha vida que eu joguei bola e não era perna de pau, viu). O campeonato sempre parava em julho: por causa das férias, muita gente viajava, e aí não dava para ter jogo. Mas muita gente também ficava, e aí inventaram as Olimpíadas. Tinha competição de vários esportes, mas eu sempre jogava futebol.

Naquele ano, caí no Brasil. Era um time absurdo de bom no papel, uma panela de vários moleques bons de bola. Minha expectativa – e, acho, de todo mundo que fez parte daquele esquadrão – era atropelar e ser campeão. Mas foi feia a coisa.

A estreia foi no dia 17 de julho, de manhã. Como já escrevi, eu não tinha dormido. E fazia sol, muito sol (tá aí a foto acima que não me deixa mentir). Sei lá, com 5min do primeiro tempo, alguém do time rival – que eu não lembro qual país era, mas acho que era Itália -, deu um chutão para o ataque. Eu, zagueirasso de rara habilidade, pensei: vou emendar e mandar a bola de volta para o ataque.

A bola veio, olhei para cima e vi o sol. Lindão, redondão, brilhando forte. Sem dormir, ver aquele solzão na cara pela manhã e ainda fazer o movimento de pegar uma bola de primeira se tornou algo humanamente impossível. Em uma fração de segundos, minha mente de craque da bola mudou de ideia, e achei que o melhor era dominar. No fim, a mente pensou, o corpo executou, e o resultado é que não fiz nem uma coisa nem outra. Furei a tentativa de dominar, a bola quicou no chão, bateu na minha perna e sobrou limpa para o atacante marcar. Nunca esqueci essa falha bizarra, uma das piores na minha ex-carreira ex-promissora. Por culpa dela, perdemos aquele jogo por 3 a 0.

Depois de ficar puto com o resultado, veio a final da Copa. A minha lembrança é de um jogo tenso e de uma casa lotada de gente para ver. O Brasil não era de empolgar, e a Itália, menos ainda. Mas a história, você já sabe: Roberto Baggio, espécie de Romário da Itália na época – sim, ele jogava muita bola -, perdeu o pênalti, e o Brasil foi campeão. Foi meu primeiro título mundial, e fizemos a festa em casa. Um dia inesquecível.

Lembro que o Brasil, aquele das Olimpíadas do clube, aquele cheio de moleques bons de bola, perdeu outros jogos e não vingou. Tendo a achar que tudo foi culpa daquela estreia ridícula. Mais do que isso, daquele primeiro gol sofrido, aquele bizarro. Naquelas Olimpíadas, eu fui meio que o Baggio do meu time. Naquelas férias, eu não fui nem para o pódio. Mas, naquela Copa, eu me senti campeão do mundo pela primeira vez. Enfim, foi um aniversário bacana. Mas, se eu tivesse tirado aquela bola, teria sido perfeito.

Brasil campeão do mundo em 1994 - Foto: Arquivo

Brasil campeão do mundo em 1994 – Foto: Arquivo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Análises espertas do cotidiano, Copa do Mundo, Futebol

1962, Garrincha, Pelé, choro, riso e um presente de Dia dos Namorados

Garrincha - Foto: Divulgação

Garrincha – Foto: Divulgação

Foi em um 17 de junho de 1962 que Mané Garrincha coroava aquele que foi, talvez, o maior momento de sua carreira. No Chile, sem Pelé, ele não colocou a bola embaixo do braço como fizera Didi quatro anos antes, mas foi “o cara” da Copa. Deus e o mundo já escreveram sobre isso, sobre aquele Mundial, sobre os 50 anos daquele título.

Mas foi nos anos 80 que eu descobri que existia Garrincha. A descoberta veio como tantas outras do mundo futebolístico: de mãe para filho. Palmeirense doente, minha mãe foi responsável por falar para mim sobre Mané.

Era curioso como ela tratava aquele cara. Sempre que surgia o assunto “como você começou a gostar de futebol?”, ela falava sobre a influência do meu avô espanhol – e, se não me falhe a memória, corintiano -, dos irmãos torcedores de tudo que é time e, claro, dos ídolos que formaram o seu caráter boleiro.

Ademir da Guia era uma espécie de divindade na minha casa. Leão, Luis Pereira, Dudu, César Maluco, idem. Pelé sempre foi tratado como o maior de todos. Mas Garrincha. A frase, aliás, era quase sempre a mesma, algo do tipo: “Pelé é o rei do futebol, mas o Garrincha…”. Aquele silêncio que vinha depois do “Garrincha três pontinhos” tinha um ar de saudade, de lembrança boa, daquelas que a gente se anima quando passa pela cabeça.

Fui, aos poucos, descobrindo quem foi Mané. Lembrem-se que os anos eram os 80, e o advento do videocassete – não sabe o que é, jogue no Google – ajudou muito nisso. Uma fita – não sabe o que é, jogue no Google – em especial, chamada “Garrincha, Alegria do Povo”, foi fundamental: era um documentário sobre Mané, recheado de dribles e lances espetaculares (está no Youtube, dá para ver no vídeo abaixo). Nascia ali uma idolatria.

Era sensacional ver aquele cara entortar quem estivesse pela frente. Parecia até ficção. Não era possível aqueles dribles, quase sempre iguais e, exatamente por isso, geniais. Coisa de outro planeta, de outro mundo.

No videocassete, dava para gravar o que se passava na TV – é verdade, taí a Wikipedia que não me deixa mentir -, e isso, em tempos de “Grandes Momentos do Esporte”, “Gol, o Grande Momento do Futebol” e “Canal 100”, era espetacular. E só contribuiu para aumentar minha paixão por Mané.

“Garrincha, Alegria do Povo”

O tempo passa, veio a faculdade, e um amigo cantou a bola: na biblioteca, tinha um exemplar de “Estrela Solitária”, de Ruy Castro. Não leu? Não sabe o que é? Ainda está parado aí? Goste ou não de futebol, corra atrás. É simplesmente uma das melhores biografias já escritas.

Foi com “Estrela Solitária” que eu pude entender os três pontinhos da minha mãe. Quando eu via – vejo – Pelé, seus dribles, seus gols, fico com uma espécie de riso bobo no rosto. Quando eu via – vejo – Garrincha, seus dribles, seus gols, fico com os olhos cheios de lágrimas, um misto de saudade de um cara que eu não conheci e só vi na TV, de felicidade por ter visto e revisto o que ele fez, e uma tristeza absurda pelo fim, não pelo fim em si, mas pelo fim como foi. Pelé é riso, Mané, lágrimas.

É curioso que o primeiro texto que escrevi e foi publicado em algum lugar era sobre Garrincha. Foi em um sábado, 23 de janeiro de 1999. Ao voltar de um São Paulo x Flamengo no Morumbi, fui surpreendido com uma pilha de exemplares do infelizmente finado jornal “A Gazeta Esportiva” em casa. Alguém falou para minha mãe que um texto meu havia saído lá, e ela basicamente comprou o que tinha na banca.

Talvez aquele tenha sido o maior orgulho jornalístico que minha mãe sentiu por mim. Como eu não canso de escrever, ela era fanática por futebol e, por um bom tempo, assinamos “A Gazeta Esportiva”. Ou seja, um texto escrito pelo filho e publicado ali era motivo de festa.

Sabe aquela parte “Palavra do Leitor”, algo do tipo? Foi ali que saiu o texto. Eu tinha acabado de ler “Estrela Solitária”, escrevi e mandei para lá na semana do aniversário de morte dele (20 de janeiro de 1983). Era uma ficção sobre um sonho que eu teria tido com o “Anjo de Pernas Tortas”. Estava longe de ser uma obra literária, mas virou até quadro em casa.

Aí chega o Dia dos Namorados deste ano e eu, colecionador de miniaturas, ganho uma do Garrincha. Ao tirá-lo da caixa, todo esse filme passou pela minha cabeça. Fiquei olhando aquele boneco e lembrei dos dribles, dos gols, da vida que poderia ter sido e que não foi, enfim, de tudo. E me emocionei mais uma vez.

Garrincha não ganhou o bicampeonato mundial sozinho, mas foi o principal nome daquele título, o nome mais comentado em tudo que é texto sobre a conquista. Aqui em casa, ele está no ponto mais alto da minha pequena biblioteca esportiva. Acho que, de madrugada, quando todo mundo está dormindo, ele sai dando seus dribles e chamando seus colegas bonecos de “joão”. Acho, não. Tenho certeza.

Miniatura de Garrincha na minha casa - Foto: Ricardo Zanei

Miniatura de Garrincha na minha casa – Foto: Ricardo Zanei

Deixe um comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

Yekini, gol, comemoração e fogos de artifício de um italianinho traíra

Yekini e a comemoração mais bonita - Foto: AP

Yekini e a comemoração mais bonita – Foto: AP

Yekini morreu na sexta-feira. Para muitos, o nome não significa nada. Para outros, é olhar no Google e ver que é o maior artilheiro da seleção da Nigéria, ou, ainda, autor do primeiro gol do país na história das Copas do Mundo. E esse post começa com esse gol e sua comemoração e passa por uma traição.

A estreia no Mundial de 1994 foi contra a Bulgária. Era um daqueles jogos que não dava para perder. Por um lado, havia toda a curiosidade para saber como jogaria aquela Nigéria. Sabe como é, time africano sempre apronta alguma, e aqueles caras de verde, ou melhor, com o inexplicável branco e cinza, tinham tudo para ser a bola da vez. Só a presença de Stoichkov do lado búlgaro já valia o “ingresso”, mas o time ainda vinha recheado de Ivanov, Borimirov, Letchkov, Kostadinov e Balakov. Imperdível.

Descobri que o lance saiu aos 21min do primeiro tempo. Jogada esperta, troca de passes envolvente, a defesa búlgara perdidassa. Bola na direita, cruzamento rasteiro, Yekini entra no meio da área e só tem o trabalho de empurrar para o gol vazio. Bacana, legal: em um primeiro momento, era apenas o primeiro gol da Nigéria em Copas. Mas bastou um instante para se tornar um dos lances mais belos e honestos da história da bola. Por quê? Pela comemoração.

Claro, muita gente escreveu sobre isso, mas não posso deixar batido. Aquele misto de desabafo e agradecimento em forma de oração e choro, entrelaçado à rede, é, na minha opinião, a redefinição de uma comemoração de um gol. Ou a definição pura de uma celebração. Sabe aquele papo dos deuses do futebol? Naquele momento, em algum lugar, foi a vez de todos eles se unirem e se ajoelharem em clemência para Yekini. Aquilo era tão verdadeiro que parecia de outro mundo. Até foi, vai saber. É de uma emoção sem precedentes e, por isso, inexplicável, sem a menor possibilidade de traduzir tudo aquilo em palavras. Caramba, até hoje arrepia!

Começava ali, e não no apito inicial do jogo, a trajetória de uma Nigéria encantadora. Toda Copa tem uma “seleção sensação”, e aquele gol de Yekini decretava a nigeriana como grande surpresa de 1994. E foi, como foi.

A Nigéria me encantou tanto que protagonizei uma cena de ódio dos meus vizinhos italianos. A data precisa foi 5 de julho, uma terça-feira (claro que eu pesquisei) ensolarada. O jogo era Nigéria x Itália. Eu estava de férias da escola, o saudoso segundo colegial, e, como todo adolescente, estava de bobeira em casa antes da partida.

Jaqueta da Itália e camisa da Nigéria: unidas no meu guarda-roupa - Foto: Ricardo Zanei

Jaqueta da Itália e camisa da Nigéria: união no guarda-roupa – Foto: Ricardo Zanei

Vale um parênteses para dizer que a presença italiana em Santo André, minha terra, é marcante. Na minha família, idem. Meu avô, por exemplo, era Mansueto Zanei. Minha avó, Orlando. Três nominhos que ajudam a entender o meu passado. Claro que eu tenho o lado do contra, o Parra Hernandez, meu avô materno, vindo da Espanha. E foi essa mistura da Itália traidicional com o furioso sangue espanhol que causou uma certa confusão.

Naquela época, a gente comprava fogos de artifício para usar nos jogos do Brasil. Bom, esse era o objetivo, mas, claro que, como qualquer adolescente, eu adorava fazer merda. Ou, digamos, expressar minha felicidade explodindo aquilo tudo pelo céu, especialmente quando minha mãe não estava em casa. Confesso que não lembro se ela estava ou não, mas, assim que Amunike abriu o placar para a Nigéria, não tive dúvida: eu, italianinho, peguei um rojão, fui para o quintal e BUM!

Era a minha maneira de mostrar o meu apreço por aquele time que me encantava. Só não esperava que xingamentos a torto e a direito eram a maneira dos meus vizinhos de mostrar o ódio pela minha atitude adolescente. Sem nenhum arrependimento, deixei o quintal e voltei para a TV. Roberto Baggio, um monstro, empatou, levou o jogo para a prorrogação e ainda fez o gol da vitória. Nigéria eliminada. Mais e mais xingamentos.

Na mesma época, o futebol de botão era algo muito presente na minha vida. Depois da Copa, o objeto de consumo era a Nigéria. Comprei um time feio que só, da marca Champion – e que deve estar perdido no que restou da casa da minha mãe -, mas responsável por um futebol-moleque que só ele. Graças à Copa e aos jogadores circulares, nunca me esqueci de nomes como Rufai, Eguavoen, Finidi George (ou George Finidi?), Amunike, Amokachi, Oliseh, Jay Jay Okocha (Jay Jay é um nome muito legal), Uche, Adepoju…

E, claro, Yekini. Nada disso existiria sem ele. Hoje, ele deve estar batendo aquele papo com os deuses do futebol. E não tenho dúvidas que, até os deuses, do alto de suas divindades, renderam homenagens a ele. Nada mais merecido.

Nigéria 3 x 0 Bulgária: os gols e “A” comemoração

P.S.: Não precisa fuçar muito para achar o jogo entre Nigéria e Bulgária inteiro no Youtube. Vale o investimento!

Deixe um comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

Zidane, Loco Abreu, um pênalti 13 e uma bicuda no meio do gol

A cavadinha 13, ato 1 do Treze - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 1 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

13 era uma gíria batuta, das antiga, miliano mêmo, que significava louco, doido, sem chance de responder por seus atos. Dizem que nasceu do palavreado policial, mas confesso que não achei a origem. De qualquer forma, apenas alguém completamente insano tenta bater um pênalti baixinho, com cavadinha, em uma disputa de mata-mata. Pois foi assim que o Treze (belo trocadilho) foi eliminado da Copa do Brasil pelo Botafogo.

A cavadinha 13 do Treze, ato 2 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 2 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Quem viu o jogo, viu. Quem não viu, tem uns vídeos no fim desse post. Enfim, o bravo Treze saiu de Campina Grande e arrumou um empate por 1 a 1 com o favorito Botafogo em pleno Engenhão, levando a decisão para os pênaltis. Um baita resultado, mas, nas penalidades, tudo poderia acontecer, e era a chance de a equipe paraibana selar a eliminação do primeiro time grande da competição.

A cavadinha 13 do Treze, ato 3 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 3 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Botafogo vencendo, 3 a 2. Se Léo Rocha fizesse, a decisão iria para as cobranças alternadas. Se perdesse, o sonho do Treze acaba ali. Não sei o que passa na cabeça de um jogador em um momento como esse. Apenas posso imaginar o turbilhão de ideias: bato colocado no alto? Enfio a bicuda no meio do gol? Chuto forte e seja lá o que Deus quiser? Espero o goleiro sair para tocar no canto?

A cavadinha 13 do Treze, ato 4 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 4 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Todas as variáveis são aceitáveis. Mas, a não ser que você seja extremamente fora de série – ou seu nome seja Loco Abreu e você esteja em uma Copa do Mundo -, a cavadinha está sumariamente vetada. É um lance que requer treino, habilidade, técnica, enfim, não é fácil de fazer. Ainda mais quando você está em um momento decisivo, fora de casa, com torcida contra: o emocional e o sangue frio vão pro escambau. Ou seja, cavadinha vetada, completamente vetada.

A cavadinha 13 do Treze, ato 5 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 5 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Eis que Léo Rocha resolve dar uma cavadinha. Não, meu querido, não. A bola saiu baixa, fraca, em cima do goleiro, enfim, foi uma das piores cobranças da história. Enfie o bico e mande a bola em São João do Meriti, mas não tente uma cavadinha em uma hora dessas. É melhor perder por ação, o bico, do que por omissão, a cavadinha.

A cavadinha 13 do Treze, ato 6 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 6 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Claro que, se fizesse, todo mundo iria aplaudir. Mas o “se”, infelizmente ou felizmente, não joga. A cavadinha terminou nas mãos de Jefferson, e o Botafogo avançou na Copa do Brasil. Treze, que coisa de 13…

A cavadinha 13 do Treze, ato 7 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 7 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

Existem outros exemplos, mas eu vi dois caras arriscarem a cavadinha em momentos absurdos e saírem comemorando o gol. Zidane fez isso na final da Copa do Mundo de 2006. Final de Copa, olha só o tamanho da encrenca. Aí o francês vai lá, dá um tapa na bola e tudo certo. Quatro anos depois, Loco Abreu repetiu o feito, dando a vitória sobre Gana e a vaga ao Uruguai na Copa do Mundo. Quartas de final de Copa, amigo.

A cavadinha 13 do Treze, ato 8 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

A cavadinha 13 do Treze, ato 8 - Foto: Reprodução de TV, Arte/Ricardo Zanei

É preciso ter um sangue congelado para dar a cavadinha, tanto na pelada de fim de semana, como em uma final de Copa, guardada as devidas e estratosféricas proporções. É preciso, ainda, ter técnica e saber que aquela cobrança é fruto de treino, treino, treino e mais treino. E, claro, é preciso ser louco, completamente maluco, ser 13 mesmo. Uma pena que, para o Treze, o que faltou foi cabeça. Ou uma bicuda no meio do gol.

Botafogo 1 x 1 Treze – gols

Botafogo 3 x 2 Treze – disputa por pênaltis

P.S.: Loco Abreu é tão fora de si que, quando ele bate forte, no canto, ou enfia o bico na bola, perde. Na cavadinha, ele faz. Faz gol e faz jus ao apelido.

1 comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

2014: a Copa da roubalheira, da higienização urbana e da dor de um caro legado

2014, um elefante branco - Arte: Dri Matsuda

2014, um elefante branco - Arte: Dri Matsuda

Quem lê esse blog sabe que defendo a Copa do Mundo no Brasil, desde que as pessoas que realmente mandam fossem completamente diferentes. Como não são, sou fervorosamente contra tudo isso, especialmente, a farra com o dinheiro público, ou seja, o meu, o seu, o nosso dinheiro. Tudo revertido para o Mundial. Ou melhor, para os bolsos de alguns por aí. E não sou eu que digo isso.

“Está tudo muito atrasado. Algumas obras de mobilidade urbana chegam a 80% de atraso. O rombo vai passar de 100 bilhões nessa Copa. Quando chegar as obras emergenciais, aí todo mundo vai roubar pelos cotovelos. Vamos ter de abrir presídios novos pra colocar o pessoal, pois vai faltar lugar [na cadeia].”

A frase acima foi dita por nada mais nada menos que Romário, na semana passada, em entrevista ao UOL (clique ali e leia a notícia completa). Vale lembrar que o ex-atacante é deputado federal e está vendo, bem de perto, o que está rolando. Sabe o que fala, pois.

“Não se faz nada nesse país sem levar vantagem (…) Na Bahia, o pessoal fala que o Antônio Carlos Magalhães faz, mas rouba. Pior é roubar sem fazer nada. Isso que é duro. Que roube, mas faça alguma coisa, que deixe algum legado para que seja aproveitado.”

Mais uma frase que não é minha. O autor é Vampeta, campeão mundial em 2002, cheio de amigos aqui e ali e conhecedor dos bastidores do futebol, seja o lado engraçado, seja o lado podre. No caso, bem podre. (Clique aqui e leia a entrevista completa no bom programa “Kajuru Pergunta”, de Jorge Kajuru, no Esporte Interativo).

“Eu fiquei muito feliz quando soube que a Copa vinha para o Brasil, para Natal. Mas, para trazer infelicidade da gente, também, é triste.”

Olha só, mais uma frase que corrobora o meu escárnio por tudo que está acontecendo. A frase é da professora Maria do Socorro, entrevistada pela ESPN Brasil na série especial “Areia Movediça, a Copa sob as Dunas” (aqui, nesse link, está o programa inteiro), sobre a bizarrice que está acontecendo com Natal. Sabe aqueles programas para ver e rever, para ficar indignado, para não acreditar que tudo isso está acontecendo debaixo dos nossos narizes? Pois é.

Sabe o motivo da frase da professora? Uma tal “política de higienização urbana”. Luis Alberto Volpe, o narrador da série, explica que é uma política “que afasta os pobres de regiões valorizadas pela especulação imobiliária”.

A expressão “higienização urbana” soa, para mim, como nazista. Sabe aquele lance de “elite ariana”? Sério mesmo, é isso que está acontecendo, e não apenas em Natal. A capital potiguar é apenas um exemplo. O programa é digno de tudo que é prêmio pela maneira como revela a realidade, nua, crua e revoltante, desse Mundial. (Clique aqui e assista ao sensacional “Areia Movediça, a Copa sob as Dunas”, dos não memos sensacionais Roberto Salim e Marcelo Gomes).

E aí me vem o Ronaldo e diz que é a “Copa do povo”. Bebeto, aquele que quase chorou com a saída de Ricardo Teixeira, idem. Mas a que preço, hein? O meu preço é o imposto que eu pago para saúde, educação e tudo mais, o meu preço é aquele que dói no meu bolso. Em Natal, como em outras sedes, o preço dói na pele e na alma. Esse é o legado da Copa. Um legado caro. Revoltante. E doloroso.

Deixe um comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

Fifa, Brasil, Copa e a torcida para um contrato ser rasgado

Uma Copa do Mundo deteriorada - Foto: Divulgação / Arte/Ricardo Zanei

Uma Copa do Mundo deteriorada - Foto: Divulgação / Arte/Ricardo Zanei

Tudo começou com um show de educação, coisa fina mesmo. A troca de farpas entre Jérôme Valcke, Marco Aurélio Garcia e Aldo Rebelo chegou a um nível quase “RicardoTeixeirístico”, com o seu “cagando de montão”. Mas, confesso: estou torcendo para a Fifa.

Valcke falou a verdade, mas com um palavreado estúpido. Aí o governo Dilma reagiu – com total e absoluta razão – e quer que o cara não seja mais o interlocutor da Copa. Até aí, ação e reação, tudo justo. Aí o Blog do Juca Kfouri traz a notícia que há uma cláusula no contrato da Copa que permite à Fifa rasgar o papel e fazer o Mundial em outro lugar, como você pode ler abaixo:

“E a semana começa com uma tremenda saia justa e uma espada sobre a cabeça porque até junho a Fifa pode desistir de fazer a Copa no Brasil sem ter de pagar um tostão de multa. É claro que esta é uma hipótese remota, impensável mesmo, jamais acontecida. Mas…”

Chama a atenção a frase “sem ter de pagar um tostão de multa”. E quando se fala em dinheiro, essa patotinha envolvida não quer perder, ou melhor, deixar de ganhar um centavo. A Fifa acha que as coisas estão atrasadas, mas parece que ela não sabe que aqui é o Brasil, que as coisas são entregues aos 48min do segundo tempo justamente por causa da grana. E, claro, não podemos esquecer que esse é ano de eleição.

Posso dizer que, diante de tal situação, nunca torci tanto para a Fifa. Não estou traindo a pátria não, pelo contrário. Mas a minha torcida é para que a entidade rasgue de vez essa papelada e jogue o Mundial onde quiser, mas o tire daqui. Como explicar isso?

Acho que o Brasil tem condições de realizar uma bela Copa, mas o problema são as pessoas que estão por trás disso. É o tipo de gente que você compra um carro zero e vai ter problemas.

Se eu fosse dirigente, também gostaria e brigaria para ter uma Copa por aqui. Pense bem: eu trabalho com futebol e não vou querer o maior evento mundial da bola no meu país? Mas eu não sou cartola, sou cidadão, e o que estão fazendo com o nosso dinheiro é uma verdadeira palhaçada.

Por isso, torço para a Fifa, para que o contrato vá para o limbo. Seria algo sem precedentes no futebol mundial. Mais do que isso, seria um tapa na cara sem precendentes em quem está aí construindo estádio, ou melhor, atrasando obra, fritando o dinheiro público a torto e a direito. Talvez se tornasse o choque de decência e honestidade que a nossa sociedade precisa. O problema é que a Fifa é a Fifa e, bem, tem aquele ditado dos “100 anos de perdão”…

Enfim, não vai acontecer, mas, que seria lindo, seria.

5 Comentários

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

Ouro para Fabiana Beltrame em um esporte “ciclo olímpico”

Fabiana Beltrame comemora o ouro com a filha Alice - Foto: Reuters

Fabiana Beltrame comemora o ouro com a filha Alice - Foto: Reuters

Vai dizer que você conhecia ou era fã de Fabiana Beltrame? Ah, não sabe nem quem é, né? A xará de Murer conquistou nesta sexta-feira o ouro no Mundial de remo, em Bled, na Eslovênia. Um feito inédito, histórico, que merece ser comemorado (e muito), ainda mais por se tratar de um esporte pouco difundido.

O remo é aquele tipo de esporte que você ouve falar a cada “ciclo olímpico”, ou seja, a cada quatro anos. Geralmente, as provas acontecem bem cedo, ou seja, abrem os dias de transmissão das Olimpíadas. Pouca gente acorda cedo para ver o remo nesses eventos. E o esporte sobrevive, no Brasil, sabe Deus como…

A conquista de Fabiana é mais um exemplo de uma vitória extremamente pessoal, que não tem nada a ver com o país em que ela vive (já falei sobre isso na conquista de Fabiana Murer). Imagino o perrengue que deve ser para um atleta de um esporte desconhecido ter um mínino para realizar um treino decente. E mais: ser um atleta de elite nesse esporte desconhecido.

Por treino decente, leia-se: ter um equipamento de ponta para praticar, acompanhamento médico, de preparação física, fisiologistas, nutricionistas. Enfim, não é barato ser um atleta de elite. Em um esporte que está na mídia a todo o momento, com exposição em TV, é bem mais simples arrumar um patrocínio para financiar tudo isso. Mas, e no remo? Fabiana, que hoje é atleta do Flamengo, deve ter passado por poucas e boas para conseguir ter o mínimo de condições para ser uma atleta de ponta em um país que não dá a mínima nem o mínino para isso.

Ou melhor: no Brasil, você precisa ganhar algo para depois ser reconhecido. Não há interesse em formar uma legião de atletas. O que acontece é que às vezes surge um abnegado que ganha alguma coisa, como Fabiana, e aí o esporte que ela pratica passa a ter um apoio maior. Mas isso vai até a primeira derrota…

Fabiana já havia sido campeã da Copa do Mundo, em junho deste ano, na cidade de Hamburgo, na Alemanha. Foi a primeira brasileira a disputar os Jogos Olímpicos, em Atenas-2004 e Pequim-2008. Só o fato de participar nas Olimpíadas já seria mais do que louvável. Mas ninguém saberia de nada disso se ela não conquistasse o Mundial nesta sexta.

“A Fabiana Beltrame virou a página do remo brasileiro. O remo brasileiro vai ser conhecido a partir de agora como antes e depois de Fabiana Beltrame.”

O autor da frase acima é Gibran Cunha, ao SporTV. Além de remador, é técnico e marido de Fabiana. Espero, de coração, que ele tenha razão, e que um esporte não precise de um título conquistado por um abnegado para que seja reconhecido, nem que passe na TV a cada quatro anos. Dia dourado para o esporte brasileiro? Não, dia dourado para Fabiana Beltrame.

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol, Outros esportes