Arquivo da tag: Falcao Garcia

Além da imaginação: o último voo de Falcao?

Imagine que a seleção de seu país tem uma geração promissora, um time entrosado, que fez uma bela eliminatória. Imagine que essa equipe tem um jogador acima da média, um atacante veloz, feroz na arte de fazer gols. Imagine que essa seleção é a Colômbia. Imagine que esse cara, Falcao García, pode ser?, é a grande esperança de liderar essa molecada a uma sonhada participação histórica na Copa do Mundo.

Imagine, agora, que esse ídolo arranque para o gol em um jogo de sua equipe, imagine o nome dela, algo como Monaco. Imagine que o rival é fraco, que tal um tal de Monts D’Or Azergues, que imagine, jogue na quarta divisão. Imagine que o lance é dentro da área. Imagine que o zagueiro dê um carrinho infantil. Imagine que o joelho da sua estrela dobre para o lado errado. Imagine a queda. Imagine a mão no joelho. O grito de dor. A apreensão.

Imagine que, depois de passar por exames, venha um diagnóstico dos piores. Sei lá, imagine algo grave, como uma ruptura dos ligamentos. Imagine que o tempo de recuperação seja de seis meses. Imagine que o sonho de tudo isso, da Copa, da geração, dos gols, enfim, imagine que o sonho de toda uma nação caia por terra. Imagine a tristeza. É de ficar com o coração destroçado, não? Imagine só!

Claro, há de se imaginar o outro lado. Imagine que há esperança, mesmo que ela seja do tamanho de um grão de mostarda. Imagine que você tenha apenas e tão somente isso a se apegar. Imagine que isso seja suficiente, muito mais do que suficiente, para acreditar que o sonho daquele Mundial, o sonho de toda uma vida, de um país, ainda está vivo.

Agora, apague a nuvem da imaginação. A realidade dói, destroça mesmo o coração. Resta, realmente, um grão de esperança. É nele que Falcao García se agarra, com unhas e dentes, na expectativa de um próximo voo. Um voo rasante, fulminante, dilacerante rumo à Copa. Um único e último voo. Imagine só como seria legal. Eu imagino.

P.S.: Veja aqui o vídeo da lesão do colombiano. E como fica a Colômbia para a Copa sem sua principal estrela? Leonardo Bertozzi mata o assunto em seu blog, “Sem Falcao, veja 10 atacantes que a Colômbia pode usar na Copa”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

“Quem não chora, não mama”: ditados populares e um quinteto de artilheiros

Use o ditado que quiser. Se quem não chora, não mama, quem não chuta, não marca. No futebol atual, finalizar é, por um lado, quase um pecado. Por outro, um dom. Nêgo tem medo de enfiar o bico na bola ou, pior, não tem qualidade para isso. Mas, no caso, a melhor qualidade é a coragem.

Por isso, admiro caras como Suárez, Ibrahimovic, Falcao, Negredo, Van Persie. Acredito que eles foram o “quinteto fantástico” quando o assunto é chute a gol. O motivo é simples, quase elementar. Eles não têm medo de errar. Chutam de longe, de perto, com ângulo, sem, batem faltas e até cabeceiam. É a velha história: quem não tem cão, caça com gato. Eles caçam com qualquer coisa.

Basta ver os lances – gols ou não – que esses caras criam. A bola vem toda torta, na intermediária, no campo molhado, e eles chutam. A bola bate aqui e rebate ali, quica pra lá, volta pra cá, e eles chutam. Quando a redonda chega macia, “pedindo me chuta, me chuta, me chuta”, como diria o imortal José Silvério, eles enchem o pé. Quem não arrisca, você sabe, não petisca.

Não tem marcação que sobreviva a tamanha “ousadia”. É comum a bola queimar no pé, e o passe para o lado, aquele que atrasa o jogo e ajuda a se livrar da pelota, se torna a melhor saída. O drible, bem, é uma opção, mas, sabe como é, pode dar errado. O chute? Esquece, nunca vai rolar acertar aquele retângulo branco. Com o quinteto, as opções aumentam exponencialmente: o passe é bom, o drible é demais, e o chute é a grande arma. Se tornam quase “imarcáveis” pela confusão mental que causam nos rivais, que ficam como cegos em tiroteios.

Se o trabalho enobrece o homem, esses nobres artilheiros labutam fazendo gols. Invertem a lógica: com eles, vale menos um pássaro na mão, vale mais um pombo sem asa voando. Enquanto eles estão em campo, há vida, há esperança. E há gols, muitos gols. Como diria o profeta Dadá Maravilha, “não existe gol feio, feio é não fazer gol”.

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol

Choro em Bilbao: lágrimas tocantes e de respeito

O choro de Muniain - Foto: Getty Images

O choro de Muniain – Foto: Getty Images

Foi uma final inesquecível de Liga Europa. Caramba, que jogo. Tenso, técnico. Falcao Garcia se firma a cada final como um dos atacantes mais letais do planeta. Festa em Madri, mas o que mais me chamou a atenção foi o choro em Bilbao. As lágrimas dos atletas do Athletic foram tocantes. De arrepiar.

O gol de Diego, aos 40min do segundo tempo, selou a vitória por 3 a 0 do Atlético de Madri. De um lado, a festa dos jogadores pelo título sacramentado. Do outro, as câmeras flagraram Iker Muniain, o camisa 19 do time basco, estatelado no chão, chorando que nem criança. Confesso que balancei.

Fui fuçar a vida de Muniain, garoto que completa 20 anos em dezembro. Nascino em Pamplona, Navarra, ele tem trocentos recordes com a camisa do Bilbao: o mais jovem a vestir a camisa do time em um jogo oficial, o mais jovem a fazer um gol pela equipe em um jogo oficial, o mais jovem da história a atuar em um jogo de Campeonato Espanhol, o mais jovem da história a marcar em um jogo de Campeonato Espanhol, tudo com menos de 17 anos.

Habilidoso, sabe esconder bem a bola, trabalha com ela colada aos pés. Tem velocidade, chuta bem. Por tudo isso, passou a ser chamado de “Messi espanhol” pela imprensa local. O Manchester United já está de olho no garoto.

Mas, quer saber, os dois últimos parágrafos pouco importam. Muniain poderia ter 40 anos e ter feito, na final, sua estreia no futebol. Dane-se. O que importa aqui é a reação dele, a maneira como ele sentiu a derrota.

O choro de Muniain – 1

É um resultado que diz muito mais do que o placar em campo. Quem conhece algum basco por aí sabe do orgulho e da luta admiráveis desse povo, peixe fora d’água no Estado espanhol, e dono de um sonho eterno de separatismo.

Infelizmente, esse blog não trata de história e geografia, elementos bem mais importantes para o mundo e para a vida que o futebol, e não vou ficar falando sobre o tema simplesmente por falta de conhecimento. Mas o choro de Muniain é, na verdade, o choro de um país, lágrimas que significam muito mais do que uma derrota esportiva.

Só joga no Athletic Bilbao quem é basco. Muitos atletas passam toda a carreira vestindo aquela bela camisa. O sonho de muitos deles não é a seleção espanhola, nem uma transferência, sei lá, para o Real Madrid, mas sim conquistar um título pelo seu time.

Outros não conquistam título, mas respeito. Antes da premiação, quase todo o elenco da equipe basca estava chorando, emocionado mesmo pela derrota. Mas o choro de Muniain foi aquele dolorido, doloroso, choro durante a batalha, choro de derrota anunciada, choro de tristeza pela impotência diante de um resultado. Choro de respeito.

Munian não ganhou o título, mas já está eternizado com a camisa do Bilbao. Não pelos recordes e marcas em sua carreira, muito menos pelo apelido de “Messi espanhol”. Mas pela hombridade. E, se virar um Messi, não será espanhol. Será basco. Com orgulho. E respeito.

O choro de Muniain – 2

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol