Arquivo da tag: Colômbia

Além da imaginação: o último voo de Falcao?

Imagine que a seleção de seu país tem uma geração promissora, um time entrosado, que fez uma bela eliminatória. Imagine que essa equipe tem um jogador acima da média, um atacante veloz, feroz na arte de fazer gols. Imagine que essa seleção é a Colômbia. Imagine que esse cara, Falcao García, pode ser?, é a grande esperança de liderar essa molecada a uma sonhada participação histórica na Copa do Mundo.

Imagine, agora, que esse ídolo arranque para o gol em um jogo de sua equipe, imagine o nome dela, algo como Monaco. Imagine que o rival é fraco, que tal um tal de Monts D’Or Azergues, que imagine, jogue na quarta divisão. Imagine que o lance é dentro da área. Imagine que o zagueiro dê um carrinho infantil. Imagine que o joelho da sua estrela dobre para o lado errado. Imagine a queda. Imagine a mão no joelho. O grito de dor. A apreensão.

Imagine que, depois de passar por exames, venha um diagnóstico dos piores. Sei lá, imagine algo grave, como uma ruptura dos ligamentos. Imagine que o tempo de recuperação seja de seis meses. Imagine que o sonho de tudo isso, da Copa, da geração, dos gols, enfim, imagine que o sonho de toda uma nação caia por terra. Imagine a tristeza. É de ficar com o coração destroçado, não? Imagine só!

Claro, há de se imaginar o outro lado. Imagine que há esperança, mesmo que ela seja do tamanho de um grão de mostarda. Imagine que você tenha apenas e tão somente isso a se apegar. Imagine que isso seja suficiente, muito mais do que suficiente, para acreditar que o sonho daquele Mundial, o sonho de toda uma vida, de um país, ainda está vivo.

Agora, apague a nuvem da imaginação. A realidade dói, destroça mesmo o coração. Resta, realmente, um grão de esperança. É nele que Falcao García se agarra, com unhas e dentes, na expectativa de um próximo voo. Um voo rasante, fulminante, dilacerante rumo à Copa. Um único e último voo. Imagine só como seria legal. Eu imagino.

P.S.: Veja aqui o vídeo da lesão do colombiano. E como fica a Colômbia para a Copa sem sua principal estrela? Leonardo Bertozzi mata o assunto em seu blog, “Sem Falcao, veja 10 atacantes que a Colômbia pode usar na Copa”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Copa do Mundo, Futebol

Coates, Neymar, Balboa, Pelé e o gol mais bonito do ano

Coates e o golaço - Foto: AFP, Arte/Ricardo Zanei

Coates e o golaço - Foto: AFP, Arte/Ricardo Zanei

Se o assunto for arrancada e drible, acho que o gol de Neymar, o segundo nos 3 a 1 do Santos sobre o Inter, o gol mais bonito do ano.

Se o papo for plasticidade, meu eleito é Sebastian Coates, do Liverpool, e seu chute acrobático, meio voleio, meio bicicleta, na derrota para o Queens Park Rangers. Fenomenal!

Esse é um daqueles lances inesquecíveis. Primeiro porque o autor foi um zagueiro. Segundo porque o movimento no ar é perfeito. Terceiro porque ele pega em cheio na bola. Quarto porque o cara é uruguaio, e a Celeste tem carisma.

Golaço de Coates

Sempre que vejo alguem zagueiro tentando um lance mais ousado me lembro da bicicleta do norte-americano Marcelo Balboa, contra a Colômbia, na Copa de 1994. Infelizmente, a bola tirou tinta da trave, mas, independentemente disso, é uma das jogadas mais emblemáticas do futebol mundial. A reação do goleiro Tony Meola é o retrato disso.

O motivo? Voltando em 1994, os EUA eram taxados como um país incapaz de jogar o futebol. Pelé, Beckenbauer e tantas outras estrelas foram para lá nos anos 70 e 80, e a moda não pegou. Mas, naquela Copa, o time fez bonito e até passou de fase. Nomes como Meola, Alexi Lalas, Tab Ramos, Cobi Jones, Eric Wynalda e o próprio Balboa, sob a batuta de Bora Milutinović, colocaram os EUA no mapa da bola.

Quando o assunto é bicicletas no futebol, a de Balboa representa o mesmo que Pelé representa para os chutes do meio-campo. E o que Coates tem a ver com tudo isso? Na verdade, nada, mas é dele o gol mais bonito do mundo em 2012.

Bicicleta histórica de Balboa

2 Comentários

Arquivado em Futebol

Encontros históricos (1) – Palermo e Valderrama

Palermo e Valderrama, gênios incompreendidos - Foto: EFE/Luis Eduardo Noriega

Palermo e Valderrama, gênios incompreendidos - Foto: EFE/Luis Eduardo Noriega

Quem? Para alguns, não significa nada. Para outros, é apenas um aperto de mãos entre dois jogadores. Para mim, são dois monstros. Martín Palermo e Carlos Valderrama.

Gênio número 1. Em poucas palavras, Palermo foi um dos atacantes mais grossos da história. Não sabia dar duas embaixadinhas, mas sabia fazer gols como poucos. E é para isso que centroavante serve, não?

Gênio número 2. Já Valderrama virou uma espécie de personagem folclórico por causa de seu cabelo, mas foi o comandante, o neurônio por trás da melhor seleção colombiana da história. Um meia de rara habilidade.

Onde? O encontro aconteceu no dia 22 de janeiro deste ano, em Medellín, na Colômbia, durante a disputa de um amistoso para arrecadar fundos para a “Fundación Héroe Camina”, que ajuda militares feridos em  combate.

P.S.: A ideia é trazer um “encontro histórico” a cada terça-feira. Não importa onde, quando, enfim. Vamos ver se rola. Se você tiver alguma foto – ou ideia – genial, mande pra mim!

1 comentário

Arquivado em Encontros históricos, Futebol