Foo Fighters em Buenos Aires: tempestade, um quase desastre, “but it’s all right”

Foo Fighters em Buenos Aires - Foto: Ricardo Zanei

Foo Fighters em Buenos Aires - Foto: Ricardo Zanei

Dias de sol, muito sol. Um calor daqueles. Nem parecia Buenos Aires. De domingo até quarta à noite, tudo ia maravilhosamente bem. O metrô até o estádio Monumental de Nuñez foi dos mais tranquilos. No ar, aquele clima de show de rock que só quem foi a um show de rock sabe como é. No ar, as nuvens começaram a querer participar da festa. E fizeram a festa.

No começo do show do Arctic Monkeys, veio a primeira pancada de chuva. Cinco minutos, se tanto. Deu para dar aquela molhadinha. Mas era uma espécie de “aquecimento” para o Foo Fighters, então, tudo bem. Por um instante, achei que o céu ia abrir. No instante seguinte, começou o show de luzes dos raios no céu, e tive a certeza que ia ser uma noite inesquecível.

Descobri que tormenta, em espanhol, é tempestade. E como choveu aquela noite. Eu não conseguia abrir os olhos para ver o palco e, mesmo se conseguisse, não ia enxergar nada. Em dois minutos, estávamos encharcados. Um vento gelado completava a cena caótica. Eu, que não sou muito de sentir frio, simplesmente tremia. O jeito foi fugir.

Ficamos embaixo das arquibancadas, ao lado de praticamente todo mundo que estava em cima delas antes do dilúvio. Ali, pelo menos, não chovia. Foi bom que deu para torcer a roupa e diminuir um pouco a sensação de frio. Do pouco que eu conseguia olhar para o estádio, não dava para ver a arquibancada à nossa frente. Para o lado de fora, era só uma cortina d’água.

Enquanto isso, Arctic Monkeys, de alguma maneira, acabava o seu show. Confesso que achei que iam adiar o Foo Fighters para a quinta-feira. Mas aí a tempestade virou temporal, que virou chuva, que virou garoa justamente quando Dave Grohl e sua trupe subiram ao palco e abriram com “All My Life”.

Obviamente, voltamos para as arquibancadas. A garoa desapareceu. E, mesmo com todas as luzes do estádio acesas, o Foo Fighters foi quem brilhou.

Eu poderia aqui encher a bola, citar trocentos adjetivos para descrever o show. Poderia dizer que Dave Grohl sabe como poucos como cativar o público. Poderia até falar que um filme inteiro passou na minha cabeça quando ele deixou a guitarra e assumiu a bateria. Enfim, todo mundo já ficou sabendo do que rolou lá na Argentina e aqui no Brasil. Todo mundo tem os seus adjetivos sobre o que aconteceu.

Por isso, deixo para que Dave Grohl diga o que ele achou da brincadeira toda em Buenos Aires. Os vídeos estão tremidos, e a qualidade da imagem é péssima, mas o áudio está bom, e é o que vale. Tinha tudo para dar tudo errado, mas foi uma noite memorável, inesquecível, daquelas que você vai guardar por vidas e vidas. Era para ser um desastre, “but it’s all right”.

No dia seguinte e em todos os outros, fez sol em Buenos Aires.

These Days

“Fucking disaster”

1 comentário

Arquivado em Música

Uma resposta para “Foo Fighters em Buenos Aires: tempestade, um quase desastre, “but it’s all right”

  1. Pingback: Buenos Aires, ignorância e preconceito | Blog do Zanei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s